PCH SALTO BANDEIRANTES

 
DJI_0064.JPG
PCH SALTO BANDEIRANTES

O arranjo geral da Pequena Central Hidrelétrica, PCH Salto Bandeirantes, é formado por um circuito hidráulico de geração, composto por um Barramento Vertedor Misto (parte em concreto armado, parte em solo com espaldares de enrocamento), acoplado a uma estrutura de tomada d’água, seguido por um Canal Adutor, em cuja extremidade temos a Câmara de Carga. A mesma conecta-se à dois Condutos Forçados (tubulações metálicas), que alimentam dois conjuntos turbinas x geradores, abrigados em uma Casa de Força, e que, concluindo o circuito, restituem a água turbinada, ao Rio Bandeirantes do Norte, através de um canal de fuga.

IMG_2179.JPG
SOBRE A PCH

A PCH Salto Bandeirantes esta localizada na Bacia do Rio Pirapó / Paranapanema / Paraná, Sub-bacia do Rio Bandeirantes do Norte, a 32 km a montante da sua foz, entre os municípios de Nossa Senhora das Graças e Santa Fé.

 
 
DJI_0042.JPG
BARRAGEM

Na margem direita do rio, temos uma barragem homogênea formada em solo argiloso, com espaldares protegidos por enroscamentos de rocha basáltica, incorporados ao maciço da barragem.

Na região sobre a projeção do leito original do rio, e estendendo-se até sua margem esquerda, temos uma barragem de gravidade em concreto armado, com soleira vertente, cujo controle se dá através de comportas basculantes metálica, com 1 metro de altura.

As alturas totais deste barramento, desde o contato rochoso das fundações, até a soleira, variam de 2 a 7 metros.

Neste barramento estão embutidas as tubulações que permitem a passagem permanente da vazão sanitária do aproveitamento, de forma a manter, minimamente, a passagem de 1,44 m³/s, ou 1440 litros/segundo, em todo o trecho onde haverá redução da vazão normal do rio, para geração de energia.

 
canal].webp
CANAL ADUTOR

Com extensão de aproximadamente 800 metros, e seção hidráulica (área transversal “molhada”) de 24m², este canal possui seção trapezoidal, tendo por base menor 6 metros e por base maior 12,70 metros. Para sua construção, foi necessário escavar aproximadamente 120.000m³, incluindo a retirada de materiais de 3 categorias:

 

  1. Solos

  2. Rochas alteradas

  3. Rochas

 

Este canal possui um sistema de drenagem das surgências resultantes de pressões negativas, através de vala drenante. Tem suas superfícies hidráulicas totalmente revestidas, com mantas de Polietileno de Alta Densidade, com espessura de 1,5mm, assentadas sobre mantas geotêxteis, e geogrelhas diversas

A vazão aduzida, através deste canal, é da ordem de 19.000 litros/segundo, próxima do máximo engolimento d’água das turbinas, quando em carga plena, de 4,2MW.

 
camara de carga.webp
CÂMARA DE CARGA

Para conexão do canal adutor com os condutos forçados de adução, foi construída, em concreto armado, uma estrutura de controle, dotada de comporta metálica 3,50 x 2,70 metros e grade de proteção (equipada com dispositivo de limpeza).

 

Sua operação permite controlar a vazão aduzida até a casa de força.

 
condutos.webp
CONDUTOS FORÇADOS

Para vencer o desnível final de queda, e conectando a câmara de carga à casa de força, estão instalados dois condutos metálicos, com diâmetro de 1900mm, e extensão de 40 metros.

 

Estão apoiados em berços de concreto armado, cujas fundações foram executadas sobre talude rochoso, revestido com uma camada de concreto, para sua proteção superficial.

 
DJI_0397.JPG
CASA DE FORÇA

Abriga duas unidades geradoras, compostas por turbinas tipo Francis, de rotores duplos, acopladas a seus geradores elétricos. Cada conjunto tem capacidade nominal de geração de 2,1MW. O edifício, executado em concreto armado, tem dimensões de 9,5 x 33 metros em planta, e altura de 19 metros do piso até o teto. Esta construção abriga ainda, todos os sistemas auxiliares da central, tais como de esgotamento, elétricos, hidráulicos e mecânicos, além de uma sala de comando, de onde se opera e controla todo o aproveitamento hidro-energético.

 

Em área adjacente à Casa de Força, foi construída a subestação transformadora, que recebe a energia gerada e eleva a sua tensão, para, então, entregá-la ao sistema de transmissão, também pertencente ao complexo da PCH. É constituído por uma linha de transmissão de circuito simples, em tensão de 34,5KV, dedicada (exclusiva da usina), que se interliga à Subestação Copel de Nossa Senhora das Graças, distante 10km do local e que, por sua vez, está conectada ao Sistema Interligado Nacional, de energia elétrica.